A desumanidade que alastra

Ao lermos sobre as enormes atrocidades e violações dos direitos humanos que se cometeram ao longo do século XX pela extrema-direita, quantos de nós e quantas vezes nos perguntamos “como foi possível isto acontecer?”

As notícias que nos vão chegando da Europa e também dos EUA, começam a responder a essa pergunta. É cada vez mais nítido um cenário em que a discriminação, a xenofobia, o racismo e o ataque aos mais frágeis da sociedade se torna cada vez mais presentes no debate político. Primeiro surgiu nalgumas franjas, até que chegou aos centros poder, aos governos, onde  se traduzem em atos os discursos de ódio utilizados para vencer eleições.

O crescimento do poder da extrema-direita e dos seus simpatizantes, que a toleram e apoiam tacitamente na Europa, não é um receio, é uma realidade em crescimento galopante e deixou, há muito, de ser um fenómeno exclusivo dos países do leste europeu, como a Hungria e a Polónia. Com a chegada da Liga ao poder na Itália, a extrema-direita europeia consegue sentar-se à mesa dos conselhos de ministros de governos no leste, no centro e no sul da Europa e tem cada vez mais peso nos conselhos europeus. A sua bandeira é, para começar, a luta contra os refugiados e a imigração.

O caso dos refugiados impedidos, pelo governo italiano, de atracar nos portos de Itália e o cantar vitória do fanático e extremista ministro do interior Salvini, é a carta de apresentação deste governo da extrema-direita e amigos. A desumanidade passou a ser a política na Itália. A seguir, as baterias já foram apontadas também aos ciganos. Primeiro os refugiados, depois os ciganos. Quem se segue?

Do outro lado do Atlântico olha-se para este cenário com simpatia e não se faz por menos. Trump, que chamou de “violadores” aos imigrantes que atravessam a fronteira entre o México e os EUA, tem um secretário da justiça que cita a bíblia para justificar a abominável separação de crianças dos pais imigrantes na fronteira. Não bastasse essa política criminosa, Trump detém crianças em jaulas construídas em armazéns cheios de desespero e medo.

Não é preciso recuar aos horrores da segunda guerra mundial para perceber como ascendeu a extrema-direita ao poder. Está a acontecer, à nossa frente. As violações dos direitos humanos cometidas com cada vez mais desfaçatez, entram todos os dias nas nossas casas. Em cada vez mais lugares, a extrema-direita deixa de disfarçar ao que vem.

Na Europa foram as políticas das elites europeias que abriram caminho à ascensão da extrema-direita e de quem a aceita e não se importa de governar ao seu lado. Não são essas elites que as vão combater. Só os povos, a solidariedade entre eles, a defesa do emprego e dos direitos sociais podem travar a enxurrada do ódio e da intolerância que alastra pela Europa.

#extrema-direita#itália#liga#refugiados#trump#xenofobia