Para quando Manituana?

Há meses que espero uma tradução para português ou inglês do mais recente livro do colectivo de escrita wu ming: Manituana. Para quem não conhece, wu ming é um grupo de escritores italianos que dedicam-se a escrita colectiva e que editam sob uma licença copyleft.

Começaram por, sob o pseudónimo de Luther Blisset, este partilhado por muitas outras pessoas em vários países, editar o romance Q, O caçador de hereges (versão brasileira), ou simplesmente Q na versão original. Os livros estão todos disponíveis no site de wu ming. Aliás, a citação para o título do meu blogue foi retirada desse livro e era proferida por uma espécie de pastor revolucionário alemão,, contemporâneo de Lutero, Thomas Münster, personagem do livro e histórica. Para mais pormenores leiam o livro, vale bem a pena e não é definitivamente sobre religião, embora o possa parecer ao leitor mais desatento.

Para além de Q já li também 54, que retrata uma teia de influências no pós Segunda-Guerra. Desse talvez falarei mais tarde.

Manituana é o novo livro de wu ming e por enquanto apenas está disponível em italiano, e espanhol. Dado que o meu espanhol não é nada de especial prefiro esperar – espero que não seja muito mais – pela tradução inglesa ou portuguesa. Existia uma versão portuguesa de Q mas os autores retiraram o direito de publicação dado que a tradução estava mal feita e era vendida em 2 volumes extremamente caros. (Podem ler aqui a explicação num comment de um dos autores no meu blogue quando ainda estava alojado no blogspot). Por isso acho improvavel que seja publicado em Portugal, pelo menos nos próximos anos.

Wu ming é um novo conceito de escrita baseada na liberdade de partilha para além da carga política e social que todos os seus livros trazem. A semelhança da sua escrita com outros projectos como Linux, Wikipedia, ente muitos outros, não é mera concidência, eles próprios revêem-se nessa cultura.

#54#Liberdade#Literatura#livros#luther blisset#manituana#Q#wu ming

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.